Artigo sobre ““Portuguese European Multidisciplinary Seafloor and Water Column Observatory Initiative”” publicado no Frontiers in Marine Science

Membros da equipa do Núcleo de Navios de Investigação e Observatórios do IPMA publicam o artigo “Portuguese European Multidisciplinary Seafloor and Water Column Observatory Initiative” na revista da especialidade Frontiers in Marine Science, disponível em: https://doi.org/10.3389/fmars.2022.849150

EGIM entregue ao IPMA e pronto para instalação

O processo de aquisição do EGIM – EMSO Generic Instrument Module, foi concluído com sucesso, tendo sido o equipamento entregue ao IPMA em Lisboa.

A RTSys, empresa vencedora do concurso, realizou uma formação de 2 dias nas instalações do Instituto Dom Luiz, membro do consórcio EMSO-PT, contando com a participação de investigadores do IPMA, do Instituto Dom Luiz, e do INESC TEC.

O EGIM passou positivamente os de testes de bancada, e segue brevemente para a fase de instalação piloto a sul de Sagres.

Características especiais do EGIM adquirido:
- Observação de 7 parâmetros essenciais (Temperatura, Salinidade, Pressão, Oxigénio dissolvido, Turbidez, Correntes oceânicas, e acústica passiva);
- Combinação de materiais de plástico/titânio, com elevada resistência à corrosão eletrolítica, e profundidade máxima de instalação até 6000 m;
- Modularidade da unidade de controlo (COSTOF2) permitindo integração de novos sensores, até um total de 12;
- Flexibilidade nos modos de instalação submarina: em plataforma assente no fundo (lander) ou em amarração em linha.

Fátima Abrantes recebe prémio

O membro de EMSO-PT, Fátima Abrantes, é a vencedora do prémio Ambassador 2021  da American Geophysical Union’s (AGU).

A AGU é uma organização sem fins lucrativos que congrega investigadores e comunicadores das áreas das geociências e ciências do espaço. O prémio Ambassador é concedido anualmente a um máximo de cinco homenageados em reconhecimento das suas contribuições numa ou mais das seguintes áreas: impacto social, serviço à comunidade das geociências e ciências do espaço, liderança científica e promoção de talentos ou carreiras.

Este prémio é um reconhecimento importante de toda a comunidade científica das áreas das geociências e ciências do espaço da excelência do trabalho desta investigadora na investigação, educação e comunicação da ciência.

Fátima Abrantes é investigadora principal da Divisão de Geologia Marinha do IPMA e coordenadora do EMSO Gold. É doutorada em Geologia Marinha e dedica-se ao estudo da história dos oceanos no passado geológico. Foi autora de 110 artigos científicos e co-editou o livro “Reconstructing Ocean History: A Window into the Future and The Climate of the Mediterranean Region”.

Sobre o prémio, Fátima Abrantes diz: “Trata-se de uma distinção que chegou como uma surpresa total, nunca esperei! É no entanto muito bom obter um reconhecimento dos pares, a nível internacional, pelo trabalho desenvolvido desde 1990 na formação e desenvolvimento de um grupo de investigação em Paleoceanografia e Paleoclima em Portugal, de todo o esforço para a afirmação do valor do grupo e do país a nível Internacional, passando pela educação de muitos jovens investigadores nacionais e estrangeiros. Apesar das dificuldades que sempre foi preciso enfrentar a nível nacional, este reconhecimento internacional vem confirmar que lutar por um sonho vale a pena!”

Fátima Abrantes junta-se a outros cientistas, líderes, educadores, jornalistas e comunicadores de todo o mundo cujo contributo extraordinário permitiu ampliar as fronteiras da ciência.

A AGU vai celebrar os vencedores deste ano durante a #AGU21 Fall Meeting, a realizar de 13 a 17 de dezembro de 2021 em Nova Orleães, Los Angeles e, online, em todo o mundo.

Portal de dados – novos tutoriais disponíveis

EMSO ERIC lançou uma série de tutoriais que ajudam os utilizadores a trabalhar com todas as séries de dados disponíveis no portal de dados. Pode ver os vídeos aqui: https://data.emso.eu/documents/emso-eric-tutorials


EMSO ERIC avançou o portal de dados para permitir aos utilizadores visualizar e analisar os dados no JupyterHub baseado no VRE. JupyterHub elimina o incómodo de descarregar software, permitindo aos utilizadores o acesso livre numa plataforma online. Existe também o Jupyter Notebook Widget que ajuda a assinalar pontos de dados errados (entre outras coisas).


O vídeo “Make your Virtual Environment” dá aos utilizadores instruções sobre como utilizar o Python, com úteis dicas de comando.


Os conjuntos de dados da EMSO Portugal estarão todos disponíveis no portal de dados EMSO ERIC.

Lançado perfilador de coluna de água no Golfo de Cádis

O RV Mario Ruivo partiu de Lisboa no dia 23 de Maio com três objectivos:

  • lançar o perfilador de coluna de água no Golfo de Cádis,
  • para lançar os OBS (desenvolvido por IDL, FCUL)
  • e para testar o slocum em águas abertas (INESC TEC).

Felizmente, os mares eram navegáveis e as três actividades foram concluídas com sucesso! Pode ver os destaques nestes pequenos vídeos aqui:


Obrigado a todos a bordo pelos seus incansáveis esforços durante os longos dias de trabalho.


Agradecimentos: Mafalda Carapuço, Paulo Relvas, Carlos Sousa, Anibal Matos, Carlos Corela, Luis Matias, Afonso Loureiro

Slocum Glider testado com sucesso


A equipa do INESC esteve em Leixões na primeira semana de Maio para testar os sensores recentemente adquiridos que foram adicionados ao Slocum. O Slocum Glider G2 é um veículo subaquático não tripulado, capaz de mergulhar até 1000 m de profundidade utilizando um motor de flutuação que é capaz de alterar a flutuabilidade do veículo.

O “capitão” das provas marítimas foi Jorge Barbosa, que foi acompanhado pelos pilotos de planadores Nuno Abreu e Eduardo Almeida.

Os sensores que foram testados, foram os:

SBE PUMPED CTD SENSOR – condutividade, salinidade e densidade,

ECO Triplet FLBBCD-SLC – fluorescência/Clorofila a

AANDERAA OPTODE 4831 – oxigénio dissolvido

Os procedimentos de lançamento e recuperação foram testados com sucesso a partir da proa do barco insuflável rígido da INESC (um primeiro…!). Foram também capazes de realizar testes de pré-lançamento (leituras de sensores internos para se certificarem de que tudo está a funcionar correctamente). As comunicações Iridium (satélite) entre o planador e o servidor nas instalações do laboratório do INESC foram também concluídas com sucesso.

Estes testes foram realizados em águas abrigadas dentro do porto, e a equipa pretende testar o equipamento no mar assim que as condições sejam favoráveis.

Testes de multifeixe do ROV Luso concluídos

Desde os testes iniciais realizados na piscina da EMEPC, o multifeixe (adquirido por fundos EMSO-PT), foi levado para a água na última semana de Abril. Os testes foram feitos perto da marina de Oeiras, a fim de ter uma área abrigada onde os movimentos da embarcação foram minimizados.

O objectivo dos testes foi verificar o funcionamento do equipamento num ambiente mais próximo do ambiente operacional real, testar a comunicação com os vários sistemas complementares e o seu software, procurar um dado real recolhido num ambiente real para que as pessoas que irão operar o equipamento ganhem alguma sensibilidade a todo o processo de aquisição.

O próximo passo será integrar o sistema no ROV Luso, o que se espera que aconteça durante a primeira quinzena de Junho.

A tripulação envolvida nestes testes foram os 4 membros da equipa operacional da EMEPC, que também irá trabalhar com este equipamento no ROV Luso: António Calado, Andreia Afonso, Miguel Souto e Bruno Ramos.

Durante os meses de Julho e Agosto, o ROV Luso estará em funcionamento como parte da campanha iMirabilis, que terá uma etapa entre Vigo e Las Palmas coordenada pela EMEPC e uma segunda etapa em Cabo Verde coordenada pelo Instituto Espanol de Oceanografia.

Sistema de Alerta Precoce de Sismos vai ser instalado no Algarve

A Universidade de Évora (UÉ) encontra-se a capacitar a rede nacional de monitorização sísmica com a instalação de 4 novas estações, permitindo assim o desenvolvimento de um Sistema de Alerta Precoce de Sismos (Earthquake Early Warning System – EEWS), incluindo os gerados na região Atlântica adjacente ao território português.

Este trabalho é financiado pela EMSO-PT e faz parte dos objectivos estabelecidos, que consiste em gerar dados sísmicos terrestres para apoiar os dados de fundo do mar produzidos no Observatório de Cádis.